Ecologias digitais: a ideia de comunicação e a qualidade das interações na época da conectividade

Redes: Roma, São Paulo, Buenos Aires, Paris, Lisboa

   

Nos últimos anos, aconteceu de deslocar-me continuamente. Porém, mais do que habitar em diversos lugares, parece-me que começaram a existir mais Eus. O conjunto destes deslocamentos, o ir e vir de uma cidade para outra, tem a ver com a constituição de uma rede que compõe uma geografia pessoal. Essa rede é composta por lugares, amizades, sentimentos, atividades e trocas intelectuais, bibliografias, músicas, sons, sabores que não considero externos nem ocasionais. Mais do que por geografias, ela é constituída por diversas dimensões e relações que me são familiares, íntimas e dinâmicas. Cada uma das cidades que forma a rede constitui não apenas um conjunto de ruas, estradas, praças e localidades, mas um conjunto de conexões, que compõe, por sua vez, outras redes que se estendem e se conectam com outras localidades, outras pessoas, outros fluxos de informações.

 

O conjunto destas redes de redes é formado e conectado por meus deslocamentos e por um contínuo fluxo de informações. Considero o conjunto desta rede algo que me constitui e, consequentemente, algo familiar e interno, mas, ao mesmo tempo (e contraditoriamente), também a condição das minhas mudanças e do meu devir. Mais do que cidade, localidade e atividade, o conjunto de conexões que compõe esta rede de redes e esta multiplicidade manifesta-se como a arquitetura constitutiva da minha atual condição. Este conjunto de redes me constitui e me transforma. Estas redes não são, portanto, geografias externas, nem somente espaços a serem atravessados, mas formas e dinâmicas do meu devir. Não me lembro, ao certo, se comecei a pesquisar o habitar e as redes em consequência da minha condição deslocativa ou se comecei a devir e a deslocar em consequência do meu pesquisar. Aprendi, em consequência desse andar, que existe uma estreita relação entre uma especifica latitude e o nosso agir, o que pensamos e o que somos.

 

 

Net-ativismo

Da ação social para o ato conectivo

 

Aula de Opinião Pública

Please reload

 

Nanotecnologia, tecnologias de geolocalização, biotecnologias, redes sociais, netativismo, crise ambiental são fatos da nossa realidade que apresentam um cenário bastante diferente daquele moderno sobre o qual foram estabelecidas as principais diretrizes de análise da sociedade. A partir de definições, categorias, organizamos, hierarquizamos as relações humanas, do ponto de vista do homem, sujeito inteligente, consciente, responsável pelo destino e progresso social.

Em um texto publicado no blog TransObjetO3 , a professora Lucia Santaella (2014) trata da renitência do binômio “sujeito-objeto” no pensamento ocidental. O seu trabalho busca evitar justamente esse binômio como ponto de partida ou como perspectiva. Nesse sentido, qual a importância de se desenvolverem novas perspectivas ontológicas...

Para pesquisador, protestos expressam insatisfação com modelo de democracia representativa

1/4

Please reload

 Artigos e Entrevistas Recentes

© 2014 by ATOPOS - Thiago Franco and Massimo Di Felice

  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle